AS 13 COLUNAS DA SUPERVISÃO DA CÉLULA.

31
PARTE IV

AS 13 COLUNAS DA SUPERVISÃO DA CÉLULA.

I. O VALOR DA ORAÇÃO (VIDA DE DEUS): SL 88.2
A. Individual:
1. Tempo sozinho com Deus, Jr. 29. 13
2. Alimentar-se da Palavra, Jo 6. 57
3. Tempo de adoração, Jo 4. 23-24
4. Tempo para jejuar, Mt 6. 16-18
5. Tempo de intercessão, Is. 53. 12 ; I Tm. 2. 1
B. Coletiva:
1. Oração uma vez por semana antes da reunião da Célula ou outro dia. (Segunda à noite).
2. Vigília, designada pelo supervisor de área ou pastor de Distrito, sendo opcional e esporádica.

II. O VALOR DA FAMILIA:
A. Sua célula principal é a Família:
1. Culto doméstico.
2. Vida familiar. I Pe. 3. 7
B. Relacionamento entre:
1. Marido e mulher. Ef. 5. 23-24
2. Pais e filhos. Ml 4. 6; Ef 6. 1-4
3. Irmãos. Mt 22. 39; Jo 13. 34

III. O VALOR DO M. D. A: Mt 28. 19 (Micro-Célula de Discipulado Apostólico).
A. Onde surgem os líderes?
1. 90% (noventa por cento) dos líderes surgem através do discipulado um a um.
2. 10% (dez por cento) em grupos pequenos (Células).
3. 0% (zero por cento) de classes estruturadas (escola dominical).
4. 0% (zero por cento) do púlpito (cultos de celebração).

B. O que é discipulado?
1. É vínculo entre duas pessoas discipulador e discípulo.
2. É transferência de vida.

C. Duas etapas do discipulado.
1. Discipulado para a vida cristã.
a. Lida com o novo convertido.
b. Nessa etapa o Discipulador vai atrás do Discípulo.
2. Discipulado para Maturidade.
a. Lida com a pessoa que tem crescido em Deus.
b. Nessa etapa o Discípulo vai atrás do discipulador

IV. O VALOR DO CULTO DE CELEBRAÇÃO
A. A principal razão que a Célula existe é para fortalecer a igreja local
B. É no Culto de Celebração que ocorre o “transbordar” do que acontece na Célula. Se há vida nas Células, haverá vida nos Cultos de Celebração.
C. A consolidação (ato de firmar a decisão que uma pessoa fez de ser a Jesus) se inicia no Culto de Celebração.
1) No momento do apelo, os conselheiros são os primeiros a virem a frente, para se posicionarem ao lado das pessoas que estão entregando.
2) Após as pessoas repetirem a oração de entrega total a Jesus, o pastor dá quatro diretrizes básicas para os novos convertidos;
• Adquira o hábito de orar diariamente.
• Adquira uma Bíblia para estudá-la
• Não tenha vergonha de ser um seguidor de Jesus.
• Conheça sua nova família (mostra-lhe a igreja que os recebe com festa, alegria, fogos, aplausos, etc)
3) Os novos convertidos são conduzidos a uma sala a parte onde um pastor expõe o plano de salvação resumidamente.
4) O Pastor de Distrito fará o contato em 24 horas.

V. O VALOR DO TADEL: Ef 2. 10; II Tm 2. 15
A. Mobilizando os membros para serem treinados.
B. Treinando auxiliares que se tornarão líderes.
C. Introduzindo-os no Processo da Igreja.
1. Tadel.
2. Culto de celebração.
3. Célula.
4. Discipulado.
5. Encontro.
6. CTL
D. Estabeleça alvos para multiplicação da Célula.
1. Data especifica de multiplicação.
2. Multiplicar de 4 em 4 meses. (No máximo duas vezes ao ano).

E. Base para multiplicação.
1. Membros.
2. Anfitrião.
3. Auxiliares
4. Auxiliar principal.
5. Líder de Célula.

VI. O VALOR DO DESENVOLVIMENTO DA REUNIÂO
A. Não há regras para desenvolver a reunião da Célula.
B. Mas, queremos dar algumas boas sugestões que irão lhe ajudar a organizar a reunião da sua Célula:
• Recepcionar bem, membros e visitantes.
• Descontração (brincadeiras ou perguntas abertas)
• Louvor e adoração
• Testemunho
• Oração por necessidades individuais
• Recebimento de ofertas
• Oração pelos 3 Natanaéis
• Folha de estudo da mensagem de domingo (Tadel Express)
• Repassar a visão com entusiasmo
• Encerramento com louvor
• Comunhão (lanche)

VII. O VALOR DA COMUNHÃO:
A. Uma vez por mês dia de Koinonia da Célula.
B. Purê de Batatas. At 2. 46
C. A presença do Senhor em sua vida na Célula gera comunhão entre os irmãos.

VIII. O VALOR DOS DÍZIMOS E OFERTAS: (Ec 11. 4-6)
A. O propósito da oferta é para prosperidade dos membros.
B. Ministre a oferta durante a reunião da Célula.
C. Sempre ministre oferta dando o privilégio de agradar e obedecer a Deus.
D. Nunca ministre oferta como se você estivesse fazendo algo errado ou exagerado.
E. Sempre os dízimos são entregues em um dos cultos de celebração da sua Igreja local. As ofertas da Célula são entregues ao supervisor de setor, e este repassa ao supervisor de área, e este por sua vez ao ofertório no Tadel .

IV. O VALOR DO BATISMO: Mt 28. 19-20

A. O Batismo é feito pela Região de 3 em 3 meses (logo após o encontro).
B. O Discipulador é quem deve batizar discípulo.
C. O Discipulador é quem dá o conselho pastoral. (Com permissão do líder da Célula).
D. Algumas perguntas para o candidato do batismo.
1. O que representa o batismo?
2. Você tem certeza da sua salvação?
3. Porque tem a certeza da salvação? Mt 10. 32
4. Até quando promete seguir a Jesus?
E. No momento do Batismo.
1. Você crê que Jesus Cristo é o Filho de Deus?
2. Você crê que o sangue de Jesus te purifica de todo pecado?
3. Então de acordo com tua fé em o nome de Jesus eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

X. O VALOR DA SANTA CEIA: (I Co 11. 23-30)
A. Realizada uma vez por mês na Célula.
B. Momento de intensa comunhão com Deus.
C. Celebrando em memória do Senhor. I Co 11. 24-26
D. Discernindo o corpo de Cristo. I Co 11. 29-30
E. Celebrando em reverência. I Co 11. 23-34

XI. O VALOR DA AÇÃO SOCIAL: (Gl 2. 10)
A. Durante a reunião da Célula recolha os itens alimentícios que os membros trouxeram. (Item designado por área).
B. Os itens recolhidos na Célula devem ser repassados para o diácono distrital que os levará para o banco distrital onde serão armazenadas as doações de todo o distrito.

XII. O VALOR DO EVANGELISMO: (Mc 16. 15-18)
A. Todos as nossas Células são Evangelísticas.
B. É separado um dia no mês onde a Célula evangeliza coletivamente. (Além do evangelismo Pessoal e do grupo de evangelismo – GE).
C. Natanael – 3 . Jo 1. 43-51
D. Fator Barnabé. At. 4. 36 – 37 ; At 11. 23

XIII. O VALOR DA PRESTAÇÃO DE CONTAS:
A. E o requisito necessário para garantir que as 12 colunas da supervisão estejam funcionando.
B. Boa supervisão no grupo de setor no grupo de área e de distrito.
C. Relatórios

CRITÉRIOS PARA O AUXILIAR PRINCIPAL TORNAR-SE LÍDER DE CÉLULA

I. Ser Exemplo de Vida Cristã.

A. Convertido de verdade

B. Compromisso com Jesus (amar)

C. Congregar nos cultos

• Freqüentar fielmente ao TADEL
• Não dar mal testemunho
• Não dever a ninguém
• Tem que ser transformado

II. Ser Batizados No Espírito Santo

A. Falar em línguas
B. Ser salvo na fé
C. Deve ganhar almas
D. Ter reunião de oração e vigílias
E. Não deve se conter (?)

III. Estar Sendo Discipulado

A. Tem que ir atrás do discipulador
B. Não ser mimado – Exemplo de Elias e Elizeu, colar no pé do discipulador.

IV. M. D. A. 2

A. Para se tornar um líder de Célula, tem que ter pelo menos 2 discípulos. O mais ideal é que tenha o MDA 3.
B. Os auxiliares devem ter pelo menos um (1) discípulo, MDA 1
C. Para ser supervisor de setor deve ter MDA 3
D. Ninguém é obrigado a ser líder, mas todos devem ter um compromisso, para isso deve ser treinado.
E. O verdadeiro líder de Célula serve de modelo.

V. Ser Dizimista Fiel.

A. Jamais obrigamos alguém a dar o dízimo. Mas quem não dá o dizimo é ladrão.
B. Não pode ser ladrão e tão pouco ser líder de Célula.
C. Sua vida financeira vai mudar e seu casamento também.

VI. Matriculado no CTL (Curso de Treinamento de Líderes)

VII. Compromisso de Ganhar A Sua Família Para Jesus

A. Antes de se tornar Supervisor de área a família deve se tornar testemunho

VIII. Critérios Para Líderes de Células tornarem-se Supervisores de Setor

A. Ter todas as qualificações (anteriores) de um bom líder de Célula.
B. Ter multiplicado uma vez a Célula.
C. E as duas Células indo muito bem.
D. Ter M. D. A. 3.

CRITÉRIOS PARA SUPERVISOR DE SETOR TORNAR-SE
SUPERVISOR DE ÁREA

I. Qualificado Como Líder, I Tm. 3: 1-10 e Tt .1: 6- 9

II. Vida Com Deus, Jo 6. 57
• Tempo sozinho com Deus.
• Comer da Palavra.
• Adoração.

III. Relacionamento Familiar, I Pe. 3. 7; I Tm 3. 4-5
• Culto doméstico.
• Esposo, esposa.
• Pais e filhos.

IV. Trabalho Secular, Ef 6. 5-7
• Sucesso no trabalho.
• Obediência aos vossos senhores.

V. Lidando Com As Finanças, Rm 13. 8
• Em relação às dívidas.
• Em relação a dízimos e ofertas. Ml 3. 10-12

VI. Caráter
• Frutos do Espírito. Gl 5. 22
• Transparente, tratável, maleável, cordato, submisso, etc.

VII. Rompimento Ministerial, I Tm 3. 6
• Ter se multiplicado em três novos Supervisores de Setor.
• Ter em média 12 Células formadas a baixo dele.
• Ter uma vida de Maturidade.
• Ter aprovação do Pastor de Distrito.
• Ter aprovação do discipulador.
• Ter aprovação do Pastor das Células.

VIII. Apto Para Ensinar, Tt 1.9
• Estar fazendo ou ter concluído a Escola de Mestres.

IX. Bom Testemunho
• Sendo bom exemplo dentro e fora da igreja. I Tm 3. 7

X. Ter A Visão do Pastor Titular, HB 13. 17
• Culto de celebração. (Igreja local).
• Célula. (O coração da Igreja Local).
• MDA. (Modelo de Discipulado Apostólico) é o coração da Célula.

Procedimento da Reunião Ministerial
Supervisor de Setor com Líder de Célula

I. Entrar fundo em todas as áreas do ministério de Célula detalhadamente.

II. Lembrar que algumas vezes o líder de Célula pode tentar te convencer que está tudo bem, quando na realidade não está (Ele não está te enganando, ele é que está enganado.)

III. Como resolver o problema do II item:
A. Fazer perguntas específicas e exigir respostas específicas e detalhadas.
B. Alguns exemplos de perguntas a fazer acerca da Célula:
1. Que horas começou e quem chegou primeiro a reunião?
2. Quem foi o último a sair após o término da reunião?
3. Como começou a reunião?
4. Quem dirigiu a oração?
5. Quem dirigiu o louvor?
6. Quem ministrou a folha de estudo?
7. Houve comunhão?
8. Houve testemunho?
9. Quantas pessoas haviam na reunião?
a. Adultos – (12 anos para cima)
b. Crianças – (09 anos para baixo)
10. Quantas pessoas faltaram? (a secretária deve ter um livro de presença e ausência).
a. Você as visitou?
b. Porque faltaram?
11. Houve visitas? Quantas?
12. Quanto foi a oferta?
a. Você está trazendo para o Tadel?

13. Está entrando alimentos para os pobres?
14. Estão ajudando algum missionário com uma cesta de alimento mensal, mesmo que seja em conjunto com outra Célula?

C. Alguns exemplos de perguntas acerca das reuniões paralelas a de quarta:
1. Houve santa ceia este mês? Como foi?
2. Está havendo almoços, cafés, jantares ou retiros, para estimular comunhão?
3. Como está indo a reunião de oração?
4. Todos os membros da Célula estão participando do Culto de Celebração?

D. Alguns exemplos de perguntas acerca da próxima multiplicação:
1. Você está treinando na prática os próximos líderes e auxiliares?
a. Na Palavra
b. Louvor
c. Visitas

2. Quando a Célula vai multiplicar? (Data provável).
3. Qual o local da próxima multiplicação?
4. Quem será o novo líder da Célula?
5. Quem serão os auxiliares da nova Célula? (Auxiliar principal, louvor, oração, crianças, músico, etc.)
6. Quem será o anfitrião? (este tem uma vida familiar estruturada e vida com Deus?)

E. Perguntas acerca do trabalho do líder de Célula durante a semana, fora da reunião da Célula:
1. Você está reunindo com a diretoria da Célula para programar as reuniões de quarta, distribuir tarefas e treiná-los ministerialmente?(Os auxiliares)

2. Você está fazendo visitas e levando outros com você? É importante você visitar:
a. Os crentes
b. Os que visitaram a reunião na quarta passada
c. Os que faltaram a reunião (estimular os desanimados)
d. Novas pessoas

3. Você está treinando novos discipuladores?

4. Você está discipulando alguém?

IV. Amado Supervisor de Setor.
A. Se você for um bom supervisor, você verá defeitos para corrigir no seu líder de Célula.
1. Se você só elogiar, ele relaxa.
2. Se só corrigir, ele desanima.
3. Você deve ter um bom equilíbrio, elogiar muito, mas não falsamente, e corrigir bastante.

B. Quando você reunir com o líder de Célula, não abafe as intuições do Espírito.

C. Cobrar do líder de Célula que ele tenha um caderno de anotações que contenha todas as anotações , as informações da Célula e estudos do TADEL.

D. Todo líder de Célula deve ter uma “agenda do líder de Célula” para anotar todos os nomes dos novos convertidos e acompanhá-los através do trilho de liderança. (o líder deve prestar conta da vida dos novos convertidos).

E. Você deve estar por dentro da vida pessoal, ministerial e espiritual do líder de Célula.

F. Estimular os líderes de Células a trazerem muitos auxiliares para o TADEL.

Fonte: CTL – Centro de Treinamento de Líderes – Igreja da Paz

8 comentários sobre “AS 13 COLUNAS DA SUPERVISÃO DA CÉLULA.

  1. Paz!!! Gostaria de ser informado sobre todo o material que deve ser usado para funcionar na visão do MDA. Sou liderança no Ministério Adoração & Missões-SE e estamos tranzicionando para o modelo MDA. Fale me também sobre o congresso que terá em Santarém em Outubro, data, valor e etc. Fico no aguardo, que O DEUS YHAWE abençôe e guarde cada vida que foi enchertada nele através de JESUS O CRISTO.

  2. Gostei do q li, q legal poder encontrar algumas dicas sobre a supervisão, estou aprendendo com vcs, faço parte da Igreja da Paz em Terra Santa (PA), amo d paixão as células e o discipulado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s